...

Um vale distante, cercado por montanhas distantes, num tempo muito distante. Neste vale, isolados de mundo, viviam Eu e Você.

Sobre Eu tenho pouco para falar. Um tanto por pouco conhecê-lo, outro tanto por pouco lembrar-me. Talvez por Eu ser pouco digno de lembrança, mas principalmente pelo fato de Eu não Ter tanta importância neste história, frente a perfeição de Você.

Você era bela. Talvez, na infeliz tentativa de representar a imensa perfeição de Você, estas quatro letras tenham sido mal escolhidas. E talvez todas as letras serão, mas poucas são as letras e as palavras e infinitamente pequenos são os predicados que alcançam simbolizar a perfeição de Você.

Você era a perfeição, era a semelhança e as representação mais perfeita da divindade. Era o tudo e nada, era a presença e a ausência. Você era a essência do tudo de belo que existe ou já existiu.